30 outubro 2012

Solda em tanque de inflamáveis


CONSIDERAÇÕES:

Quais são os riscos quando se trabalha em Espaços Confinados? 

• Falta ou excesso de oxigênio. • Incêndio ou explosão, pela presença de vapores e gases inflamáveis. 
• Intoxicações por substâncias químicas. 
• Infecções por agentes biológicos. 
• Afogamentos. • Soterramentos. 
• Quedas. • Choques elétricos. 
• Todos estes riscos podem levar à morte ou doenças 

Quando você pode entrar em um Espaço Confinado? 

• Somente quando sua empresa fornecer a Autorização da Permissão de Entrada e Trabalho - PET 
• Essa Permissão de Entrada e Trabalho (PET) é exigida por lei e executada pelo Supervisor de Entrada (NR-33). 
• O serviço executado deverá sempre ser acompanhado por um Vigia. Permissão de Entrada e Trabalho (PET) 

• A Permissão de Entrada e Trabalho (PET) contém procedimentos escritos de segurança e emergência. 

• Verificar se as medidas de segurança foram implantadas e se a PET está assinada pelo Supervisor de Entrada. 

• O trabalhador deve entrar no espaço confinado com uma cópia da PET.

Inflamáveis


Teste: Deve ser realizado teste na totalidade do espaço ou área confinada por intermédio deparelhos específico (explosímetro) por pessoa qualificada (*).A entrada de trabalhadores não deve ser permitida se a concentração de inflamáveis no ar estiver de 25% do limite mínimo de explosão.


Os testes devem ser efetuados em diferentes locais e em diferentes níveis de altura da áreaou espaço confinado.Precauções especiais como a seguir devem tomadas quando a entrada é feita num espaçoconfinado com concentração de inflamáveis entre 1% e 24% do limite mínimo de explosão.
• Um controle contínuo do nível de inflamabilidade do ar deve ser mantido durante apermanência do trabalhador dentro do espaço confinado.
• Recipientes , ferramentas e lâmpadas devem estar aterradas.
• Todo equipamento elétrico deve ser apropriado para uso no ambiente confinado e deacordo dom a classificação do ambiente.
• Todas as fontes de ignição devem ser eliminadas.
• Usar equipamentos pneumáticos e ferramentas antifaiscantes.
• Deve ser proibido fumar e executar serviço que provoque centelha.Concentrações de inflamáveis no ar entre 1% e 24% do limite mínimo de exposição devemser testados para determinar se o nível de exposição está abaixo do limite de tolerância (TLV)para as substâncias.A área de Segurança do Trabalho e/ ou a Brigada Interna de Combate à Incêndio deve ser contatada antes do início dos trabalhos para que o local seja suprido com aparelhos extintoresde incêndio nos tipos e quantidades que se façam necessários 



22 outubro 2012

Dias para salvar o oceano antártico

Em poucos dias, alguns países poderão dar a largada para transformar grandes áreas do oceano antártico no maior santuário marítimo do mundo, salvando o habitat de baleias, pinguins e milhares de outras espécies polares das frotas da indústria pesqueira. Mas eles só vão agir se nos manifestarmos agora. 

A maioria destes países apoia a criação do santuário, mas Rússia, Coréia do Sul e alguns outros estão ameaçando não aprovar o acordo para também saquear o oceano antártico após terem levado a pesca à exaustão em outras partes do planeta. Essa semana, um pequeno grupo de negociadores vai se reunir a portas fechadas para tomar uma decisão. Uma corrente gigante de pressão popular podeforçar a abertura das negociações, isolar os países que estão tentando bloquear a criação do santuário e assegurar um acordo para a proteção de 6 milhões de quilômetros quadrados do precioso oceano antártico. 

As baleias e os pinguins não possuem voz própria, então cabe a nós defendê-los. Vamos convencer os negociadores produzindo uma onda gigante de pressão da opinião pública -- a Avaaz vai cercar o encontro com anúncios publicitários impactantes e, juntos, entregaremos nossa mensagem para as delegações fazendo um barulho ensurdecedor nas redes sociais. Assinem essa urgente petição e compartilhem com todas as pessoas que vocês conhecem

- Leonardo DiCaprio e a equipe da Avaaz

Clique no link abaixo e assine
http://www.avaaz.org/po/save_the_southern_ocean_5/?befECcb&v=18979

16 outubro 2012

Doenças Pulmonares de Origem Ocupacional



ANTRACOSE - é uma lesão pulmonar caracterizada por pigmentação por partículas de carvão, observada em mineiros, populações de grandes centros urbanos ou de áreas poluídas, além de fumantes. Tem caráter inócuo, porém sua evolução pode originar disfunções pulmonares graves, principalmente em profissionais que constantemente entram em contato com a poeira de carvão. As partículas de carvão permanecem no tecido pulmonar ou nos linfonodos por toda a vida, porém quando de forma excessiva podem causar fibrose pulmonar.

ASBESTOSE - é a cicatrização disseminada do tecido pulmonar causada pela aspiração de pó de asbesto (amianto). O asbesto é composto por silicatos minerais fibrosos com diferentes composições químicas. Quando inaladas, as fibras de asbesto depositam- se profundamente nos pulmões, provocando a formação de cicatrizes.

ASMA OCUPACIONAL - é um espasmo reversível das vias respiratórias causado pela inalação de partículas ou de vapores existentes no ambiente de trabalho, que atuam como irritantes ou causam uma reação alérgica. Muitas substâncias presentes no local de trabalho podem causar espasmos das vias aéreas, tornando a respiração difícil. Alguns indivíduos são particularmente sensíveis a irritantes presentes no ar.

BERILIOSE - é uma inflamação pulmonar causada pela inalação de poeira ou gases que contêm berílio. No passado, o berílio era comumente extraído para ser utilizado nas indústrias eletrônicas e químicas e na fabricação de lâmpadas fluorescentes. Atualmente, ele é utilizado principalmente na indústria aeroespacial. Além dos trabalhadores dessas indústrias, alguns indivíduos que habitam regiões próximas a refinarias de berílio também apresentam beriliose.

BISSINOSE - é um estreitamento das vias aéreas provocado pela inalação de partículas de algodão, linho ou cânhamo. Nos Estados Unidos e na Inglaterra, a bissinose ocorre quase exclusivamente em indivíduos que trabalham com algodão não-processado, embora indivíduos que trabalham com linho e cânhamo também possam apresentá-la. Os mais afetados parecem ser os indivíduos cuja ocupação é abrir fardos de algodão cru ou aqueles que trabalham nos primeiros estágios do processamento do algodão. Aparentemente, algo presente no algodão cru provoca o estreitamento das vias aéreas em indivíduos suscetíveis.


HIDRARGIRISMO - A inalação de vapores de mercúrio, durante um longo período, pode causar o mercurialismo, que é caracterizado por leves tremores e eretismo. Os tremores podem afetar primeiro as mãos, mas também podem tornar-se evidentes no rosto, braços e pernas.


PULMÃO NEGRO - (pneumoconiose dos mineiro de carvão) é uma doença pulmonar causada por depósitos de pó de carvão nos pulmões. O pulmão negro é conseqüência da aspiração de pó de carvão durante um período prolongado. No caso de pulmão negro simples, o pó de carvão acumula-se em torno das pequenas vias aéreas (bronquíolos) dos pulmões. Apesar de ser relativamente inerte e incapaz de provocar reações exageradas, o pó de carvão dissemina-se por todo o pulmão, o que é revelado nas radiografias torácicas como pequenas manchas.



SATURNISMO - ou plumbismo é o nome dado à intoxicação pelo chumbo. Ela afeta milhões de pessoas em todo o mundo como resultado da poluição ambiental, além de outras espécies, como as aves . Em humanos, as principais fontes de intoxicação são as tintas que contém chumbo, baterias de automóveis, pilhas, soldas, e emissões industriais. Em outras espécies, somam-se o chumbo usado em projéteis para caçada (que também são uma causa de saturnismo em humanos com projéteis alojados) e como peso para linhas de pesca, que são ingeridos por peixes, por sua vez ingeridos pelas aves.

SIDEROSE - é a deposição de ferro nos tecidos humanos. Em geral se refere a um mal que atinge os pulmões causada pela inalação de partículas de ferro. Atinge trabalhadores de mineradoras de hematita, soldadores e trabalhadores que manipulem pigmentos com óxido de ferro.

SILICOSE - é a formação de cicatrizes permanentes nos pulmões provocada pela inalação do pó de sílica (quartzo). A silicose, a mais antiga doença ocupacional conhecida, ocorre em indivíduos que inalaram pó de sílica durante muitos anos. A sílica é o principal constituinte da areia, e, por essa razão, a exposição a essa substância é comum entre os trabalhadores de minas de metais, os cortadores de arenito e de granito, os operários de fundições e os ceramistas. Normalmente, os sintomas manifestam-se somente após vinte a trinta anos de exposição ao pó.

Obesidade X Coração


15 outubro 2012

Movimento Gota D´Água

Eu já assinei, assistem ao video e apoiem a causa. 

 Acesse o site http://www.movimentogotadagua.com.br e assine.



13 outubro 2012

Bitucas de Cigarro

Uma mal para o ser humano e depois para o meio ambiente. Mais um motivo para você parar de fumar.

 

Inforgráfico - Bitucas de cigarro


Clique na imagem para ampliar

Borracharia

Borrach Aria

O que fazer em caso de dano moral

o q Fazer Em Caso de Dano Moral[1]

PERMISSÕES DE TRABALHO NA EMPRESA

PERMISSÕES DE TRABALHO NA EMPRESA

Administração do Tempo

Administração do Tempo

04 outubro 2012

Riscos e partes perigosas em maquinários

Estrela da Vida

Envenenamentos

Saiba como lidar com queimaduras

10 mandamentos para ter uma boa noite de sono

O que provoca desmaios?

Contatos Primeiros Socorros

Crise Convulsiva - O que fazer?


13 setembro 2012

Meningite meningocócica


Definição

A meningite meningocócica é uma infecção que causa inchaço e irritação (inflamação) das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal.
Consulte também:
  • Meningite asséptica
  • Meningite
  • Meningite - criptocócica
  • Meningite - gram-negativos
  • Meningite - H. influenzae
  • Meningite - pneumocócica
  • Meningite - estafilocócica
  • Meningite - tuberculosa



Causas, incidência e fatores de risco

Foto: ADAM
Lesões meningocócicas nas costas
A meningite meningocócica é causada pela bactéria Neisseria meningitidis (também conhecida como meningococo).
A maioria dos casos de meningite meningocócica ocorre em crianças. O meningococo é a causa mais comum de meningite bacteriana em crianças e a segunda causa mais comum de meningite bacteriana em adultos.
A infecção ocorre com mais frequência no inverno ou na primavera. Ela pode causar epidemias locais em internatos, dormitórios estudantis ou bases militares.
Os fatores de risco incluem exposição recente ao meningococo e uma infecção recente do trato respiratório superior.

Sintomas

A doença pode se manifestar rapidamente e começar com uma infecção do trato respiratório superior ou dor de garganta.
Os sintomas incluem:
  • Febre alta
  • Alterações do estado mental
  • Náuseas
  • Áreas roxas, como machucados (púrpura)
  • Erupções, pontos vermelhos (petéquias)
  • Sensibilidade à luz (fotofobia)
  • Dor de cabeça forte
  • Mal-estar geral grave
  • Pescoço rígido
  • Vômitos

Exames e testes

O exame físico poderá mostrar:
  • Taquicardia
  • Pressão arterial baixa
  • Possível erupção
  • Pescoço rígido
Para qualquer paciente com meningite, é importante realizar uma punção lombar, na qual o líquido cérebro-espinhal (conhecido como líquido cefalorraquidiano ou LCR) é coletado para exames.
Os testes incluem:
  • Hemocultura
  • Cultura de LCR
  • Tomografia computadorizada do cérebro
  • Colorações especiais do líquido cérebro-espinhal
  • Contagem de leucócitos

Tratamento

Antibióticos como a ceftriaxona são prescritos e administrados no braço por via intravenosa. Outros medicamentos podem ser utilizados para tratar as complicações resultantes do aumento da pressão do líquido cérebro-espinhal.
Às vezes, são utilizados medicamentos esteroides, mais frequentemente em crianças que em adultos.
As pessoas em contato próximo com alguém com meningite meningocócica devem receber antibióticos para prevenir a infecção.
Essas pessoas incluem:
  • Membros da família
  • Companheiros de quarto em dormitórios
  • Aqueles que tenham contato próximo com uma pessoa infectada

Evolução (prognóstico)

O diagnóstico e o tratamento precoces são extremamente importantes para prevenir uma forma grave da doença ou a morte. A taxa de mortalidade varia de 5% a 15%. As crianças pequenas e os adultos com mais de 50 anos correm maior risco de morte.

Complicações

  • Dano cerebral
  • Surdez
  • Hidrocefalia
  • Maior pressão do líquido cérebro-espinhal
  • Retardo mental
  • Miocardite
  • Paralisia de vários músculos
  • Choque

Ligando para o médico

Vá para o pronto-socorro ou ligue para o número de emergência local (como o 192) se:
  • Notar sintomas de meningite
  • Os sintomas piorarem ou não melhorarem com o tratamento
  • Achar que teve contato com alguém com meningite
A meningite pode se tornar fatal rapidamente.

Prevenção

Todos os familiares e pessoas próximas (principalmente em ambientes de saúde ou de educação) a alguém com esse tipo de meningite devem começar o tratamento com antibióticos assim que possível para impedir a propagação da doença. Pergunte a seu médico sobre isso durante a primeira visita.
Os contatos próximos em casa, na escola ou na creche devem ser observados para detectar sinais precoces da doença assim que o primeiro caso for diagnosticado. Tenha sempre bons hábitos de higiene, como lavar as mãos antes e depois de trocar fraldas ou depois de usar o banheiro.
As vacinas são eficazes para controlar epidemias. Elas são atualmente recomendadas para:
  • Estudantes universitários
  • Recrutas militares
  • Pessoas que viajam a certas regiões do mundo

Referências

Swartz MN. Meningitis: bacterial, viral, and other. In: Goldman L, Ausiello D, eds. Cecil Medicine. 23rd ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2007:chap 437.

30 agosto 2012

26 julho 2012

Intoxicação e Queimaduras com Substâncias Químicas


As intoxicações produzem-se ao ingerir ali­mentos em mau estado, cogumelos e plantas venenosas, mas também por medicamentos e álcool em excesso. As queimaduras quí­micas internas podem ser produzidas pela ingestão de lixívia e ácidos. O risco mais frequente vem dos produtos de limpeza da casa, como o desinfectante da casa de banho e o detergente da loiça.

Sintomas típico de Intoxicação ou Queimaduras

·         Mal-estar, vómitos
·         Diarreia
·         Dor de barriga espasmódica e repentina
·         Dores no ventre, enjoos
·         Pulso acelerado ou lento
·         Perda ligeira ou total da consciência
·         Problemas respiratórios até à paragem respiratória

Primeiros socorros acidentes substâncias tóxicas

Quando tiver lugar um acidente produzido por substâncias tóxicas, pense primeiro em proteger-se. Use luvas de protecção para que as substâncias tóxicas não o afectem.

intoxicação substancias toxicas 300x216

Telefone para os serviços de urgência.
No serviço de informação toxicológica pode informar-se das medidas urgentes que devem ser aplicadas. Assegure a respiração e a função cardíaca regular até que chegue o médico. Se o acidentado estiver inconsciente, colo­que-o na posição de lado estável.
Se a substância tóxica foi ingerida, e não se tratar de uma substância corrosiva e se o acidentado estiver consciente, induza-lhe o vómito, dando-lhe a beber meio litro de
O telefone das urgências toxicológicas, o Centro de Informação Antivenenos do INEM atende 24 horas por dia. Anote o número e tenha-o à mão na farmácia em casa.

O que fazer em caso de Queimadura substâncias Quimicas

Agua morna ou de sumo (não administrar água salgada a crianças: podem sofrer uma intoxicação devido ao sal) ou introduza os dedos no fundo da cavidade bucal.
Se o afectado estiver consciente e não se tratar de uma queimadura interna por subs­tância química, não deve administrar-lhe medicamentos após ter vomitado sem con­sultar previamente o Centro de Informação Antivenenos.

A ter em conta em caso de queimaduras por substâncias químicas

Em caso algum se deve induzir o vómito, pois as substâncias corrosivas podem produzir no­vas queimaduras ao atravessar o esófago.
Em caso de queimaduras por substâncias químicas, deve lavar-se a fundo a cavidade bucofaríngea. Se o afectado estiver consciente e as substâncias corrosivas tiverem alcançado o esófago ou o estômago, faça-o beber água (fria) em abundância para diminuir o grau de concentração.
Para um tratamento rápido em caso de intoxicação, deve-se conhecer a causa da in­toxicação ou da queimadura por substância química, para se fazer uma análise. Uma vez estabilizado o estado do paciente, deve-se guardar os restos de comida, os comprimi­dos e os copos relacionados com o acidente.

24 julho 2012

Adicional de 20% para trabalhadores a ceu aberto


Empregados que trabalham a céu aberto poderão ter adicional de 20% Os efeitos dos raios de sol têm motivado vários projetos de lei em tramitação na Câmara dos Deputados. Além do Projeto de Lei 4027/12, do deputado Márcio Marinho (PRB-BA), que obriga o empresário a fornecer protetor solar aos empregados que realizem atividades a céu aberto, o projeto de Lei 3519/12, do deputado Vinicius Gurgel (PR-AP), pede adicional de 20% do salário aos empregados que exerçam atividades a céu aberto e sob radiação solar. O texto também fixa a carga máxima de trabalho desses profissionais em 6 horas diárias ou 36 horas semanais. 


A proposta altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT – Decreto-Lei 5.452/43). Pelo texto, o adicional de 20% será pago sempre que não houver a opção do recebimento do adicional de insalubridade, correspondente a 40% do salário. Os tipos de atividade consideradas insalubres são descritos em norma do Ministério do Trabalho e Emprego. Vinicius Gurgel destaca que essas medidas devem diminuir os casos de câncer de pele, que, segundo ele, correspondem a 25% de todos os tumores malignos registrados no País. Caso a proposta seja aprovada, as empresas que descumprirem as novas regras de proteção a esses trabalhadores estarão sujeitas ao pagamento de multa em favor do empregado correspondente a dez vezes o valor do salário. 

O projeto, que tramita apensado ao PL 4653/94, será analisado, em regime de prioridade, pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Desenvolvimento Econômico, Indústria Comércio; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, seguirá para o Plenário. 

Com informações da Agência Câmara

Workshop NR-20

Workshop FAP

18 junho 2012

(NRs 18, 22, 23, 29 e 34) ETAPAS PARA O USO SEGURO DE ESCADAS


homepageimg2
20 PASSOS PARA UMA ESCALADA SEGURA
Regras para utilização de escadas aparecem em várias NRs, particularmente as NRs 18 (Construção Civil), 22 (Mineração), 29 (Portuário) e 34 (Const e Rep Naval), que determinam onde e como montá-las. No site Safety&Health, o autor desenvolve um  foco no comportamento do trabalhador em relação a escadas, e não somente nas escadas em si, o que torna essa abordagem diferente e relevante. Veja se o trabalhador na sua empresa adota comportamentos seguros quando utiliza  escadas em  qualquer trabalho.
Acesse tambem uma Recomendação Técnica da Fundacentro que aborda de forma detalhada essa questão.
ESCALADA SEGURA
By Keith Howard, associate editor, Safety  & HealthTradução e Contextualização: Prof. Samuel Gueiros, Médico do Trabalho, Coord NRFACIL
Trabalhadores utilizam escadas acima e abaixo em alturas variáveis, todos os dias. Em alguns países, infrações a regras sobre o uso de escadas estão entre as 10 mais mencionadas em auditorias. Sindicato de Trabalhadores na Construção nos Estados Unidos avaliam que quedas de escadas são responsáveis por 16% de todos os acidentes fatais na indústria da construção e 24% dos acidentes não fatais envolvendo horas não trabalhadas.  Abaixo, 20 passos para uma escalada segura:
images-15
1 - TREINAR
Assegurar-se de que os trabalhadores estão treinados é um aspecto importante de qualquer trabalho e o treinamento para o uso seguro de escadas no trabalho não é exceção. Muitas vezes constata-se que trabalhadores que usam escadas há anos, nem sempre seguem as melhores praticas; ou seja, não são apenas trabalhadores novos, mas acontece o mesmo com os mais experientes.
2 – SELECIONAR
Geralmente os acidentes são resultados de falta de utilização da escada correta. Importante é considerar o tipo de escada e o material com que a mesma é fabricada. Geralmente os acidentes são resultado de não se utilizar a escada correta, devendo-se dar atenção ao tipo, o tamanho e o material da escada. (Leia mais na Recomendação Técnica da Fundacentro).
3 – DETERMINAR CARGA
Essas características geralmente são fornecidas pelos fabricantes, relativamente ao peso que a escada por suportar de forma segura. Isto inclui o peso do trabalhador e o peso e qualquer material ou ferramenta que sejam carregadas para a escada, que deve ser menor que a relação fornecida.
4 – INSPECIONAR
Verificar gordura, sujeira ou outros contaminantes que possam causar deslizamento ou quedas, ao lado de pintura excessiva ou pontas metálicas, devem ser realizadas na hora da compra, na hora de recebê-la para o trabalho ou quando for colocada em serviço. Inspeção e limpeza da escada devem ser realizadas antes de serem postas em serviço, com atenção para degraus quebrados, parafusos, cintos ou outras partes de metal, dispositivos de frenagem da base; além disso, verificar etiquetas de aviso de segurança ou etiquetas ilegíveis.
5 – IDENTIFICAR PROBLEMAS
Trabalhadores que inspecionam uma escada e descobrem um defeito ou que aquela escada necessita manutenção adicional, devem identificar claramente o defeito e assegurar que ela não sera utilizada até um reparo apropriado. Se a escada for considerada inservível, certificar-se de que ela foi destruída e certificar-se de que ela não foi jogada em algum lugar que alguem vai acabar utilizando. Se o trabalhador achar que a escada não parece oferecer segurança de forma satisfatória, ele deve colocá-la fora de serviço.
6 – TRANSPORTAR COM CUIDADO
Quando carregando escadas, a parte frontal deve estar elevada, especialmente em cruzamentos, corredores ou através de portas. Se isto é muito difícil para um trabalhador, outros podem ser encarregados para carregar a escada de forma segura. Em caso de transporte em caminhão ou em vagões, a mesma deve ser colocada de forma apropriada paralelamente ao assoalho incluindo pontos de suporte acolchoado com um material leve e não abrasivo.
7 – OBSERVAR RISCOS PRÓXIMOS
Caixas, arquivos e outros itens colocados pelo caminho podem criar riscos no transporte de escadas. Certifique-se de que todos esses materiais estejam armazenados de forma segura em seus próprios locais de armazenamento a fim de evitar obstáculos. E ainda, assegure-se de que qualquer fiação próxima do caminho de transporte da escada pode significar um risco elétrico, e assim verifique se esta fiação esteja apropriadamente protegida.  
8 – SET UP DE SEGURANÇA
A base da escada somente deve ser colocada em superficies niveladas e nunca em locais instáveis ou movediços. No mínimo duas pessoas devem ser mobilizadas para elevarem uma escada. Coloque a base da escada em uma fenda ou em um canto inferior; em seguida, elevar o topo da escada. Depois, andar até ela assumir a posição vertical – e assim sera fácil escalar e se mover.
9 – 4 POR 1
Para prevenir deslizamento, escadas portáteis devem ser colocadas em um angulo de 75.5 graus. Isto permite a maior resistencia ao deslizamento promovendo um equilíbrio adicional ao trabalhador que vai escalá-la. O comprimento lateral de base ao topo da escada deve ser cerca de 4 vezes a distancia da base da escada para a estrutura. Se a base da escada for mais longe da estrutura, a escada poderá quebrar ou deslizar e se a base for muito próxima da estrutura, a escada poderá despencar para trás.
10 – SUBIDA E DESCIDA
Quando subir e descer escadas, o trabalhador deve ficar de frente para a escada e se segurar nas laterais. O trabalhador deve descer em cada degrau e não tentar deslizar para acelerar o processo, sempre com muito cuidado.
11 – OS 3 PONTOS
Enquanto na atividade de subida ou descida, o trabalhador deve mater 3 pontos de contato: duas mãos e um pé ou ou dois pés e uma mão em contato com a escada, presilhas ou trilhos laterais.É necessário usar sempre 3 pontos de contato durante todo o tempo e não se deve carregar nada. É preciso as mãos e pés  livres para  fazer o que eles precisam. Quando utilizando este método, você somente irá mover um de seus membros a cada vez – mesmo que isso seja rápido.
12 – A ESCADA ADEQUADA
Escadas simples e extensíveis são desenhadas para serem utilizadas de forma vertical. Algumas vezes os trabalhadores precisam manter a escada horizontalmente, para uso em estradas, estruturas, plataformas, grades e andaimes, para movimentar-se entre dois pontos. Especialistas afirmam que as escadas não foram feitas para isso, é preciso utilizar estruturas próprias para essas tarefas, não sendo apropriado utilizar-se escadas retas ou extensíveis.
13 – FONTE DE ELETRICIDADE
O material da escada é um importante fator a ser considerado, visto que se recomenda utilizar fibra de vidro para trabalhar perto de fontes de eletricidade. Escadas de metal são altamente condutivas e não é apenas o risco de choque elétrico, mas a subsequente queda da escada tem provado ser evento fatal.
14 – PROJEÇÃO LATERAL
É imprudência os trabalhadores se projetarem para os lados, para fora da escada, causando a perda de equilíbrio. Se o centro de gravidade do trabalhador for além dos trilhos laterais da escada, ele estará chamando um problema, colocando-se em risco. Ao invés disso, o trabalhador deve descer e mover a escada até onde o trabalho deve ser feito, sem tentar atingir o objetivo fora do eixo da escada. Quando escalar e trabalhar em escadas, o trabalhador deve ter em mente manter o centro da fivela do cinto de segurança entre os dois trilhos laterais da escada a fim de prevenir uma queda lateral.
15 – EXTENSÕES
Escadas são feitas para serem utilizadas sob um comprimento específico e assim, múltiplas escadas não devem ser “amarradas” para criar longas secções para dar conta de um determinado trabalho. Não se deve fazer nada além do que o fabricante determinou para aquele tipo e comprimento de escada.
16 – SUPERFÍCIES ACIMA
Quando escadas portáteis forem utilizadas para acessar uma superfície superior, as laterais da escada devem ficar cerca de 1 metro acima da referida superfície. Isto evitará o tombamento ou que a base da escada possa deslizar. Se isto não for possível, a escada deve estar firmemente apoiada em um suporte no topo e ganchos devem estar disponívels para ajudar os trabalhadores descerem.
17 – CONDIÇÕES DE TEMPO
Utilizando uma escada durante ventos fortes, tempestades ou chuva pesada, haverá risco para a escalada resultando em perda de equilíbrio ou deslizamento da escada. Ou seja, nunca utilize escadas sob condições de tempo adversas.
18 – ALTERNATIVAS
Deve-se sempre considerar alternativas antes de escalar uma escada de duas secções. Uma vez que você esteja subindo, você estará cada vez menos estável. É melhor utilizar escadas hidráulicas ou elevadores.
19 – GUARDA
Mantenha escadas longe de condições atmosféricas adversas. Evide guardar escadas perto de radiadores, fogões ou vasos sob pressão – calor excessivo ou intempéries podem causar desgaste. Para prevenir empenamento, é recomendável manter escadas na posição horizontal em suportes contra a parede. Para tornar acessível a escada a qualquer tempo, outros materiais não devem ser colocados na escada enquanto ela estiver guardada.
20 – UM DEGRAU A MAIS
Escadas são inerentemente perigosas, uma das maiores causas de acidentes por quedas. Empresas devem ser encorajadas em estabelecer regras rigorosas para o seu uso, além daquelas regras determinadas pelas NRs.
NRs E ESCADAS
Abaixo, infográficos do site NRFACIL onde o usuário pode obter maiores informações sobre como cada uma dessas NRs trata das ESCADAS como importante item de segurança. No site NRFACIL, cada NR tem a sua própria pasta com um mecanismo (REMISSIVO) que busca os assuntos de forma seletiva. Você clica no assunto e é projetado apenas o texto do item selecionado. Vamos ver em primeiro lugar, a NR 18  (PCMAT), com um capítulo mais extenso sobre o uso de escadas na construção civil. Acesse a pasta da NR-18 no site e no remissivo abra o item destacado abaixo:
nr18
Abra a pasta da NR-22 (MINERAÇÃO) e veja as regras sobre ESCADAS nessa área:
nr22
A próxima NR que trata do assunto é a NR-29 (PORTUÁRIO) relativamente às regras de acessos às embarcações:
nova-imagem-2
E finalmente, a NR-34 (CONST REP NAVAL), que estabelece regras importantes envolvendo escadas:
nr34
Os assuntos sobre ESCADAS de cada NR são extensos, de forma que não caberia expor todos esses assuntos nos limites do blog. Portanto, faça uma experiência adquirindo uma licença de acesso. Além disso, a licença permite que você instale tambem um software com todas as NRs no formato digital (ocupando pouco espaço no seu disco rígido, cerca de 10M). O aplicativo disponibiliza ferramentas para cálculo de dimensionamento de CIPA e SESMT, play list de NRs, cálculo de custo fiscal por descumprimento de NRs e uma poderosa ferramenta de busca de palavras em qualquer NR. Mas o melhor é que as NRs no sistema NRFACIL são atualizadas automaticamente, sem nenhum custo adicional ao usuário.
Prof. Samuel Gueiros, Med Trab
Coord NRFACIL